Governo alemão decreta ilegalidade de grupo neonazista criado em 2016

Ministro do Interior alemão proíbe grupo neonazista

Ministro do Interior alemão proíbe grupo neonazista

Bernd von Jutrczenka/Pool via REUTERS – 20.10.2020

O Ministério do Interior da Alemanha anunciou nesta terça-feira (1º) que tornou ilegal o grupo neonazista Wolfbrigade 44 (Brigada do Lobo 44), que se estenderá por quatro dos estados federados do país.

“É uma organização que dissemina o ódio e aspira à reimplantação de um estado nacionalista”, afirmou o titular da pasta, Horst Seehofer, sobre o grupo também conhecido como Sturmbrigade 44 (Brigada de Assalto 44).

“Não têm espaço na nossa sociedade”, disse o ministro sobre os ideais do grupo.

Segundo Seehofer a decisão de colocar o Wolfbrigade 44 na ilegalidade, está dentro dos parâmetros estabelecidos pelo Estado de Direito alemão.

A medida foi ordenada após uma série de operações policiais realizadas nos estados de Hesse, Renânia do Norte-Vestfália, no oeste do país, assim como Meclemburgo-Pomerânia Ocidental e Saxônia-Anhalt, no leste.

Estes são os quatro Länder (estados federados) que têm militantes do grupo, segundo o Ministério do Interior.

As ações aconteceram nas casas de 11 integrantes da organização, e resultaram na apreensão de armas, símbolos nazistas, bandeiras, além de farto material armazenado em computadores e aparelhos celulares.

Os grupos, chamados de fraternidades, usam geralmente o termo ‘Sturm’ (Assalto), no nome, seguido de uma cifra, que neste caso é o 44, que faz alusão à letra D, quarta letra do alfabeto, que por sua vez, remonta à figura do antigo comandante da SS, organização paramilitar ligada ao Partido Nazista, Oskar Dirlewanger.

Nos últimos anos, o governo da Alemanha tornou vários desses grupos ilegais, sob a acusação de pertencerem a organizações terroristas de extrema-direita.

Segundo o Ministério do Interior, o Wolfbrigade 44, que foi criado em 2016, visa propagar uma ideologia destrutiva para atacar de maneira agressiva a ordem constitucional do país.

You may have missed

3 min read
2 min read
4 min read
2 min read