Índia aprova uso emergencial de duas vacinas contra covid-19

Índia aprova duas vacinas para uso emergencial

Índia aprova duas vacinas para uso emergencial

John Cairns/The University of Oxford

O Controlador Geral de Medicamentos da Índia (DCGI) anunciou neste domingo (3º) a aprovação do “uso emergencial” de Covishield, a vacina da Universidade Britânica de Oxford e da farmacêutica sueco-britânica AstraZeneca contra covid-19, o que significa o começo de uma das maiores campanhas de vacinação do país, que tem 1,35 bilhão de pessoas.

O regulador também concedeu a licença a vacina indiana Covaxin, desenvolvida pelo laboratório indiano Bharat Biotech e pelo Conselho Indiano de Pesquisa Médica (ICMR).

Ambos os candidatos obtiveram a licença “de uso restrito para estrita emergência”, informada em declaração à imprensa o controlador-geral do organismo, V.G. Somani, que garantiu que os dados dos estudos clínicos de ambos demonstram que são seguros e com uma “robusta” capacidade de imunização.

O primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, saudou a decisão que permitirá ao país, com mais de 10 milhões de casos confirmados até agora e quase 150 mil mortes, iniciar uma campanha de vacinação.

“Este é um momento decisivo para fortalecer esta luta incansável!”, Escreveu o primeiro-ministro imediatamente quando se tornou conhecida a decisão do DCGI, que, disse ele, “vai acelerar o caminho para uma nação mais saudável e livre de COVID”.

Covishield da AstraZeneca é fabricado internamente pelo Serum Institute of India (SII), o maior fabricante mundial de vacinas em termos de volume e vendas. A empresa sediada na cidade indiana de Pune iniciou a produção da fórmula britânica meses antes de ser aprovada, com risco de produção que lhe permitiu acumular cerca de 100 milhões de doses até agora.

“Todos os riscos assumidos pelo Serum Institute finalmente valeram a pena”, postou no Twitter o presidente e proprietário da Serum, Adar Poonawalla.

A Covishield obteve nesta semana a licença para uso no Reino Unido e Argentina.

Plano de vacinação

O anúncio da licença ocorre um dia após o ensaio nacional do protocolo de vacinação contra covid, realizado em mais de cem distritos do país para testar logística, gestão de estoque e eficácia da rede de frio , vital para armazenar doses.

A primeira fase do plano deve cobrir 30 milhões de pessoas. Isso incluiria 10 milhões de trabalhadores de saúde e 20 milhões de funcionários da linha de frente.

Embora inicialmente o Ministério da Saúde indicasse que a primeira fase chegaria a 300 milhões de pessoas, as autoridades disseram ontem que o plano para os 260 milhões de pessoas com mais de 60 anos, ou mais de 50 com doenças crônicas graves, ainda não foi finalizado.

A Serum, com maior capacidade de fabricação do país, afirma que pelo menos metade das 100 milhões de doses fabricadas até agora serão usadas na Índia. Mesmo assim, o país irá encomendar imunizante de vários fabricantes para atender sua demanda no curto prazo.

A Índia continua sendo o segundo país mais afetado pela pandemia, atrás apenas dos Estados Unidos, com 10,3 milhões de casos (18.177 registrados nas últimas 24 horas) e 149.435 mortes no total.

You may have missed

8 min read
2 min read
5 min read
5 min read