Ingleses investigam se mutação do vírus contagia mais as crianças

Estudo pode retardar retorno às aulas

Estudo pode retardar retorno às aulas
Pixabay

Cientistas britânicos estão investigando se a nova variante do coronavírus se espalha mais facilmente entre as crianças, embora não haja evidências de que essa cepa, encontrada no Reino Unido, represente um problema de saúde para menores.

Contra restrições, homens armados invadem sede do governo do Oregon

Essa possibilidade está sendo investigada por especialistas do chamado grupo consultivo de Ameaças de Vírus Novos e Emergentes (Nervtag), após as primeiras análises apontarem que a nova variante parece se espalhar mais rápido que a original.

Estrangeiros ignoram risco de mutação no Reino Unido e viajam ao Brasil

Se confirmado, isso explicaria o aumento significativo de casos covid-19 na Inglaterra, acrescentam os especialistas.

“Se fosse verdade, isso poderia explicar a proporção significativa, até mesmo a maioria, do aumento da transmissão”, disse Neil Ferguson, membro do Nervtag, à mídia.

Por sua vez, Wendy Barclay, membro do Nervtag e do Imperial College London, destacou que as crianças podem ser tão suscetíveis ao vírus quanto os adultos e, dado que interagem muito entre si, “espera-se ver mais crianças infectadas” .

Até agora, cientistas do governo insistiram que o coronavírus não tem um grande efeito em crianças em idade escolar, mas se a nova cepa for suscetível em menores, ela teria um impacto ao decidir se reabrirá as escolas em janeiro no Reino Unido.

O Governo insiste que é prioritário manter as escolas abertas, mas o Ministério da Educação já anunciou que nem todos os alunos do ensino secundário vão regressar juntos às aulas em Janeiro, mas vão ficar escalonados.

Segundo os cientistas, a nova cepa acelera a transmissão do vírus em até 70% mais e parece responsável pelo preocupante aumento de infecções em Londres e em vários condados do sudeste e leste da Inglaterra.

O primeiro-ministro britânico Boris Johnson decidiu no sábado colocar Londres e o sudeste da Inglaterra em maior risco, com o fechamento de lojas que vendem itens não essenciais, academias ou cinemas.

You may have missed

3 min read
2 min read
4 min read
2 min read